TIT-AOBESIDADE
 
 

Muito se tem falado na mídia em geral, de que o principal fator para o desenvolvimento da obesidade seria a falta de educação alimentar e a falta de exercícios. Isto é verdade em parte. Existem vários outros fatores que predispõe ao acúmulo de peso. Eu vou abordá-los de uma forma mais simplista e acessível.

Teoria das Células gordurosas
: além da já antiga hipótese de que os obesos nasceriam com mais células gordurosas que os magros, hoje se pesquisam vários outros fatores ligados aos adipócitos, como receptores mais sensíveis à ação da insulina, (a insulina é um hormônio anabolizante) a adiponectina cujos níveis são mais baixos em indivíduos obesos.

O tecido gorduroso é um órgão endócrino que secreta uma série de hormônios como a adiponectina cujos níveis são mais baixos em indivíduos obesos, e isto seria uma causa para os pacientes que tem obesidade andróide, (acúmulo de gordura principalmente no abdome) terem que fazer dietas muito mais restritivas para perder peso, ou seja, comem pouco e não emagrecem.

Idade: um fator determinante é o envelhecimento e morte celular. Em média, a partir dos 25 anos começamos a ficar “velhos”. O metabolismo começa a perder sua eficiência e começa a cair os níveis de hormônios importantes como o de crescimento, testosterona (no homem). Não precisa nem ser cientista para constatar: basta observarmos fotos de artistas famosos antes e depois de dez anos.

Climatério
: o advento da menopausa é um fator importantíssimo para as mulheres. A falta de hormônio feminino traz aumento de peso, acúmulo de gordura abdominal e dificuldade para emagrecer. Paradoxalmente a terapia de reposição hormonal também pode fazer com que muitas mulheres aumentem de peso, fora os riscos recém publicados acerca do câncer de mama (em pacientes selecionados a reposição hormonal pode emagrecer e não aumentar este risco).

Genética
: pessoas com antecedente familiar de obesidade são candidatas fortíssimas para aumento de peso. Em julho de 2005 foi publicada a descoberta um gene que provoca obesidade e diabetes em adultos. Este gene (enpp1) foi identificado em 3000 numa amostra de 5000 indivíduos franceses.

Vírus: vírus semelhantes aos da gripe foram correlacionados com o desenvolvimento de obesidade em vários estudos realizados com indivíduos americanos. Ou seja, para não me estender demais, fora os fatores acima poderíamos citar mais centenas, não podemos generalizar e simplificar o tema obesidade. Nos anos 2000, cada vez mais teremos que pensar em bases genéticas, bioquímicas e moleculares para todas as nossas doenças.